Imposed Freedom​.​.​. Conquered Freedom

by Point of No Return

/
  •  

1.
03:38
2.
02:06
3.
04:16
4.
03:28
5.
03:47
6.
02:58
7.
02:43

about

Released as:
Imposed Freedom... Conquered Freedom ‎(LP) by Scorched Earth Policy, (S.E.P. 22) in Germany, 2002
Liberdade Imposta... Liberdade Conquistada / Imposed Freedom... Conquered Freedom ‎(CD, SP) by Catalyst Records (CR20) in the United States, 2002
Liberdade Imposta... Liberdade Conquistada ‎(CD, LP) by Liberation (LIB010) in Brazil, 2002

credits

released March 21, 2002

Alexandre Fanuchi, aka Kalota - vocals
Frederico Freitas - vocals
Marcos Suarez - vocals
Tarcísio Leite - guitar
Paulo Júnior, aka Juninho - guitar
Jefferson Queiróz, aka Tigrilo - bass
Luciano Juliato, aka Lobinho- drums

tags

license

about

Point of No Return São Paulo, Brazil

contact / help

Contact Point of No Return

Streaming and
Download help

Track Name: Pedra
Pedra

Uma geração com os olhos para o oeste
Buscando no passado reconstruir o futuro
O direito ao retorno alimenta a coragem
em tempos de desespero sob a ocupação
Filhos que não temem carregar a chama
explodem em fúria num grito por liberdade

Pedras contra tanques, armas contra mísseis
A cruel realidade de uma luta desigual
Opressão financiada pelo cúmplice americano
Agora Davi é palestino

Assassinatos em massa, cidades devastadas
Famílias soterradas em suas próprias casas
Massacres para conter o terrorismo
Tática absurda de um Estado sem memória

A morte da justiça, diante do mundo que se cala
A morte da justiça, a humanidade é enterrada

Usando o holocausto como desculpa
A tirania se torna aceitável
A hipocrisia impede de enxergar
O que leva alguém a virar uma bomba

—————————

Stones

A generation with eyes
towards the west
Searching in the past
for the reconstruction of the future
The right to return to their land
feeds their courage
In times of despair
under the occupation
Sons who are not afraid
to carry the flame
Blow up in fury
in a scream for freedom

Stones against tanks,
weapons against missiles
The cruel reality
of an unequal struggle
Oppression financed
by American accomplices
David is now a Palestinian

Mass murders,
devastated cities
Families buried in
their own houses
Massacres to halt terrorism
Absurd tactics of
a State with no memory

The death of justice
before a world that remains silent
The death of justice,
humanity is buried

Using the holocaust as an excuse
Tyranny becomes acceptable
Hypocrisy prevents them from seeing
What leads a human being to become a bomb
Track Name: Cerca
Cerca

Esse sistema brutal tem de ser derrubado
Herança de sangue da colonização
Uma estrutura de senhores imposta pelo medo
Servos que não se curvam, crucificados

Tradição de miséria.
Direitos roubados.
Anos de escravidão.
A justiça é negada

Cercas erguidas, isolando-os de nossa pobreza
Terras demarcadas, privando-nos da igualdade

Cerre os punhos! Há uma guerra pelo campo!
Cerre os punhos! Há uma guerra!

Uma marcha para derrubar toda oligarquia
Libertar-nos da tirania
Organizar a revolta, um passo para a libertação
Retomar a terra…Insurreição!

______________________

Fences

This brutal system has to be overthrown
A heritage of blood from colonization
A structure of landlords imposed by fear
Servants who do not bow down crucified

A tradition of misery
Stolen rights
Years of slavery
Justice is denied

Fences erected,
keeping them away from our misery
Lands demarcated,
preventing us from attaining equality

Clench your fists! There is a war across the fields
Clench your fists! There’s a war!

A march to strike down every single oligarchy
To set us free from tyranny
Organizing the revolt, a step towards liberation
Taking the land back… Insurrection!
Track Name: Chibata
Chibata

Um baque seco. A porta se fechou
Seus olhos se abrem. Você voltou
O ar denso e quente, o cheiro de queimado
A dor de respirar, a mente atordoada
Você acorda ofegante, esfrega o rosto em vão
Permanece o pesadelo - que não acaba mais
No seu olhar, o desejo de não ver
A cena degradante que envolve o seu ser
Você percebe que não poderá escapar
O duro preço da coerência
Um jogo sádico. Um ritual cruel
O esforço de resistir. Recusar a se entregar

A grandeza e a miséria da condição humana

Chutes e socos, choques constantes
Seu sangue escorre, a força se esvai
Amarrado e nú você aguarda
O fim do sofrimento
Mas o veredicto já foi dado
Mais um cadáver não enterrado
Agora já não importa mais
Lutar ou se render

Fruto amargo da repressão

Arrancaram o seu espírito
Te tornaram um corpo vazio
Uma herança de constante horror
O vício do medo adquirido

Homem… meio-homem… não-homem

_____________________

Whips

The door slams shut. Your eyes open
You’re back
The hot, dense air, the smell of burning
The pain of breathing, the mind tormented
You wake up breathless, rub your face in vain
The nightmare remains – It seems to never end
In your eyes, the will not to see
The degrading scene that involves your being
You realize you will not be able to escape
The high price of integrity
A sadistic game. A cruel ritual
The effort to resist
Refuse to surrender

The greatness and the misery
of the human condition

Kicks and punches, constant shocks
Blood spills, your strength is vanished
Tied and naked, you wait
For the end of your suffering
But the verdict was already delivered
One more unburied body
Fighting or surrendering
Doesn’t matter anymore

The bitter taste of repression

Your spirit was taken
You were turned into an empty body
A heritage of constant terror
The dependence on the acquired fear

Man, half-man, non-man
Track Name: Tela
Tela

Táticas construídas para domar
as línguas rebeldes que podem gritar
Uma fábrica de ideologias:
a arma sutil e sedutora da hegemonia imperialista

Telas que garantem a prosperidade americana

Truques e efeitos para domar
Corações pulsantes que podem agir
Mentes rebeldes que podem pensar

Espectadores convidados para o retorno à guerra
Épicos encenando rituais de vitória
justificam a intervenção no terceiro mundo
Um universo binário operado pelas telas

Ilusões que impõem verdades
Se tornam realidade

A luta contra os "não-civilizados"
como uma "luta pela democracia"
Antigos "guerreiros da liberdade"
se tornam a nova encarnação do mal

Permitir o roubo de sua visão
é render-se aos olhos do opressor


_______________________

Screens

Tactics built to tame
The rebellious tongues that can scream
A factory of ideologies:
The subtle and seductive weapon
of the imperialist hegemony

Screens that maintain the
American prosperity

Tricks and effects to tame
Pounding hearts that can act
Rebellious minds that can think

Spectators invited to return to war
Epics enacting rites of victory
Justify their intervention in the third world
A binary universe operated by screens

Illusions that impose truths
Become reality

The struggle against the "uncivilized"
As a "struggle for democracy"
"Freedom fighters" in the past
Become the new incarnation of evil

Allowing your sight to be stolen
Is surrendering to the eyes of the oppressor
Track Name: Forca
Forca

Barreiras erguidas
pra afastar a justiça
Exércitos criados
pra manter a elite segura

Classes se confrontam
no dia-a-dia, sem trégua
Cresce a indiferença
Da indiferença à barbárie

Um ideal de felicidade
Construído e negado
O sonho inatingível
alimenta a revolta

Seus muros já não protegem
Agora é você atrás das grades
Sua polícia já não intimida
Agora é você o vigiado

Vidas destruídas pela opressão
Agora caminham sem nada a perder

Violência é a resposta do desespero

Na solução dos acomodados
A miséria é caso de polícia
Uma guerra civil de baixa intensidade
Os que têm contra os que precisam ter

A pobreza ignorada se torna uma ameaça
Eterna contradição de nossos tempos
Uma sociedade que segura uma arma
apontada pra sua própria cabeça

________

Gallows

Barriers erected to keep justice distant
Armies created to keep the elite safe
Classes confront day by day, restlessly
Indifference rises
From indifference to barbarism

An ideal of happiness
Built and denied
An unattainable dream
Feeds the revolt

Your walls no longer protect you
Now it’s you who’s behind the bars
Your police no longer intimidate
Now it’s you who’s imprisoned

Lives destroyed by oppression
Now walk with nothing to lose

Violence is the answer to despair

For the conformist
The solution falls to the police state
A low intensity civil war
Those who possess
against those who need to possess

The ignored poverty becomes a threat
An eternal contradiction in these times
A society that holds a gun
Pointed to its own head
Track Name: Espelho
Massacred and Dismembered Culture (MDC cover)

I see spirits rising from war's sad remains
They have always survived with their way of life
to rebuild again with what you cannot destroy:
the love in their hearts for their lives and their earth

You've massacred and dismembered them
You've tortured and mistreated them
But you'll never steal, you'll never kill their culture!

And some will survive though you try to kill millions
and the ones that survive will demand retribution
there's truth to their pleas, their demands and their cries
and we have to stand up to your cheating and lies

You've massacred and dismembered
and the atrocities are remembered
But you'll never steal, you'll never kill their culture!

Before conquistadors and Christians and Custer's last stand
the Bufalo, Eagle and Navajo roamed free on this land
Hitler's Germany, Apartheid, Nicaragua's blood drenched sand
the tears of all the women, the folly of men
Hopi prophecies say, "Peace will come to Mother Earth's friends"

The old wise ones taught love and respect before they passed on
and the young, they remember and they sing spirit songs
Mr. Greed, Mr. Government, we all know you're wrong
The more you try to divide us we grow together and strong
And we'll never die

You're massacring and dismembering us
Torturing and mistreating us
but you'll never steal
You'll never kill our culture

________________

Espelho

Vejo espíritos erguendo-se
dos tristes escombros da guerra
Eles sempre sobreviveram
com o seu estilo de vida
Para reconstruir novamente
o que vocês não puderam destruir:
O amor em seus corações
por suas vidas e pela terra

Vocês os massacraram e desmembraram
Torturaram e maltrataram
Mas vocês jamais roubarão, jamais matarão sua cultura

Mesmo que vocês tentem matar
milhões, alguns sobreviverão
E aqueles que sobreviverem
exigirão justiça
Seus apelos, suas reivindicações
e seus gritos são legítimos
E temos de enfrentar
essas trapaças e mentiras

Vocês massacraram e torturaram
E as atrocidades são lembradas
Mas, vocês jamais roubarão, jamais matarão a cultura deles

Antes dos conquistadores, dos cristãos
e da última batalha de Custer
Os Búfalos, as Águias e os Navajos
andavam livremente por aquela terra
A Alemanha de Hitler, o Apartheid,
a areia encharcada de sangue na Nicarágua
As lágrimas de todas as mulheres, a loucura dos homens.
As profecias dos Hopis dizem:
"A paz chegará aos amigos da Mãe terra"

Os velhos sábios ensinaram
amor e respeito antes de partir
E os jovens, eles se lembram
e cantam as canções dos espíritos
Sr. Ganância, Sr. Governo,
todos sabemos que vocês estão errados
Quanto mais vocês tentam nos dividir,
mais fortes e unidos nos tornamos
E nunca morreremos!
Vocês estão nos massacrando e desmembrando
Torturando e maltratando
Mas jamais roubarão,
Jamais matarão a nossa cultura!
Track Name: Ponte
Ponte

Uma massa morta
de metal e concreto
Pilares imóveis
inquebrantáveis

Uma tempestade inesperada
fez o projeto desabar
A rigidez da estrutura
Não absorveu a força dos ventos

Na busca da outra margem
Soluções individuais
Uns nadaram, outros remaram
Todos se esgotaram

D'aqueles que tentaram
Poucos puderam alcançar
O sonho coletivo
Se afogou com muitos no mar

A ponte era necessária,
E com uma nova concepção
Inércia e dinamismo:
há duas forças em ação

Estável na calmaria
Flexível na tempestade
Erguida por todos
Destinada para todos

Estruturas ajustáveis…
A uma nova sociedade

Resistência e solidariedade


__________________


Bridges


A dead mass
of metal and concrete
Still pillars, unbreakable

An unexpected storm
Made the project fall apart
The unbending structure
Could not absorb the strength of the whirlwind

In search of the other edge
Individual solutions
Some swam, some rowed
All exhausted in the end

Of those who tried
Very few could fulfill
The collective dream
Drowned with many in the sea

The bridge was necessary
And with a new concept
Inertia and dynamism:
There are two forces in action

Stable in the calm
Flexible in the storm
Built by everyone
Meant for everyone

Structures adjustable
To a new society

Resistance and solidarity